Aos 75 anos morre Coutinho, célebre parceiro de Pelé no Santos Futebol Clube

Publicado em at
76 0

Jogador foi o terceiro maior artilheiro da história, com 368 gols

Antônio Wilson Vieira Honório, o Coutinho (foto), maior parceiro da carreira de Pelé, morreu nesta terça-feira, aos 75 anos. Os dois juntos ganharam todos os títulos possíveis pelo Santos entre os anos de 1958 e 1967. Ele também integrou a seleção brasileira campeã na Copa de 1962. Em janeiro, o ex-jogador ficou uma semana internado por causa de uma pneumonia.
“Nesse momento de imensa tristeza, o que nos fará lembrar eternamente de Coutinho são suas glórias, gols e histórias marcantes”, escreveu o Santos em sua página no Twitter.
Natural de Piracicaba, Coutinho chegou ao Santos com 14 anos, levado pelo técnico Lula. Com um domínio de bola impressionante e grande poder de finalização, logo ganhou a posição de centroavante do time, em substituição a Pagão, outro grande craque do time da Vila Belmiro.
Foi o companheiro ideal de Pelé. Diz a lenda que Coutinho passou a usar uma faixa branca no punho direito para diferenciar do camisa 10 e passar a ter também os elogios pelas lindas jogadas que realiza em campo. Para muitos, Coutinho tinha mais visão de jogo que Pelé na hora de finalizar, o que lhe valeu o apelido de “gênio da pequena área”.
As tabelas Pelé-Coutinho ficaram marcadas, inclusive de cabeça. Juntos, os dois lideraram o Santos na conquista de seis títulos paulistas (1960, 1961, 1962, 1964, 1965 e 1967), quatro Torneios Rio-São Paulo (1959, 1963, 1964 e 1966), cinco Taças Brasil (1961, 1962, 1963, 1964 e 1965), duas Libertadores (1962 e 1963) e dois Mundiais de Clubes (1962 e 1963), além de inúmeras exibições por todo o mundo. Foram 457 jogos e 370 gols.
Pela seleção brasileira, Coutinho foi convocado para a Copa do Mundo do Chile, em 1962, mas não chegou a atuar por causa de uma lesão, deixando o protagonismo para Vavá e Amarildo.
Uma de suas principais marcas foi ter enfrentado o Corinthians por 12 anos e jamais ter sido derrotado. Com tendência a engordar, sofreu com lesões e teve encerrar a carreira precocemente, aos 30 anos.
Pelé lamenta morte de ex-companheiro Coutinho: ‘Faremos tabelinha no céu’
Após a confirmação da morte de Coutinho, Pelé se manifestou e lamentou o falecimento do ex-companheiro de ataque do Santos na década de 60. Juntos, eles conquistaram diversos títulos na época mais vitoriosa da história do clube alvinegro.
“É uma grande perda. A tabelinha Pelé-Coutinho fez o Brasil ficar mais conhecido no mundo todo. Tenho certeza que um dia faremos tabelinha no céu. Minhas condolências à família”, disse o Rei do Futebol.
Pepe, outro ex-companheiro de Coutinho, também comentou sobre a morte do ex-companheiro. “Ele estava com problemas, mas fora isso continuava sendo aquele moço alegre. É um cara feliz, que viveu uma vida feliz até onde deu”, declarou, em entrevista para a Rádio Bandeirantes.
Coutinho foi o companheiro ideal de Pelé. Diz a lenda que Coutinho passou a usar uma faixa branca no punho direito para se diferenciar do camisa 10 e começar a ter também os elogios pelas lindas jogadas que realizava em campo. Para muitos, o atacante tinha mais visão de jogo que Pelé na hora de finalizar, o que lhe valeu o apelido de “gênio da pequena área”.

Legenda – Encontro entre Pelé e Coutinho em 2014 — Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Divulgação Santos FC

Veja Também


Net @ - sites para internet